15

É muito comum ver placas em metrôs ou estações de rede elétrica, aqui no Brasil, uma placa escrita "Risco de Morte", como no exemplo abaixo.

Risco de morte! Alta tensão

O engraçado é que, quando se trata de anunciar algo que queira passar a mesma ideia de "perigo, você pode morrer", usa-se o termo "Risco de Vida".

Inclusive tem um amigo meu costumava dizer: "Se é risco de vida, então não é risco. Porque vida é bom."

Veja:

enter image description here

Entendo que essa placa quer dizer : "Se você chegar aqui perto, você tem alguma chance morrer, então tome cuidado".

Mas qual delas seria o correto? "Risco de morte" é bem claro, mas "Risco de vida" soa estranho, já que estamos querendo alertar alguém sobre a morte!

  • 4
    Não sei o motivo, não tenho fontes confiáveis, mas a expressão é uma contração de "risco de perder a vida". – Maniero May 17 '16 at 13:41
  • @bigown faz muito sentido, mas a contração é engraçada – Wallace Maxters May 17 '16 at 13:43
  • 3
    Interessante que não é "risco à vida". – Dan Getz May 17 '16 at 14:03
  • Antigamente na Globo eles anunciavam "risco de morte" ao se referir à alguém hospitalizado com chances de morrer ("o estado dele é gravíssimo e corre risco de morte"). Lá por 2002 eles trocaram por "risco de vida". Não sei o por quê da súbita troca. – Daniel Loureiro May 17 '16 at 20:06
  • Fala-se "risco de vida", mas é um encurtamento de "risco de perder a vida". Puristas não gostam da expressão pois a entendem literalmente. – André Lyra May 18 '16 at 12:10
12

As duas expressões estão corretas e estão ambas em uso pelo menos desde o século XVI. A expressão risco de morte é mais fácil de analisar, pois podemos parafraseá-la por risco de morrer, enquanto risco de vida não é risco de viver. Mas risco de vida é logo o primeiro exemplo dado pelo dicionário Houaiss (abreviaturas desabreviadas):

1 risco s. m. 1 probabilidade de perigo, geralmente com ameaça física para o homem e/ou para o meio ambiente <risco de vida> <risco de infeção> <risco de contaminação>

Note-se que os outros dois exemplos seguem o modelo de risco de morte: risco de infeção é o risco de infetar, é o risco de contaminação é o risco de contaminar. Em risco de morte, risco de infeção e risco de contaminação, a preposição de introduz o tipo de risco, a ameaça a que se está sujeito.

Mas a preposição de é muito versátil, e em risco de vida podemos interpretá-la como exprimindo inerência, pertença: o risco na vida. A expressão risco de vida é assim análoga a fragilidade da vida. Se foi assim que os nossos antepassados pensaram, não sei dizer, mas encontramos no Corpus do Português a expressão risco de vida e outras semelhantes desde o século XVI. Na literatura, risco de vida é até mais comum, até ao presente, que risco de morte, e no fundo é isso, mais do que qualquer análise, que justifica a expressão. Exemplos:

[...] o próprio António de Saldanha correu risco de sua pessoa, por acudir a um homem, e não escapou dos negros, senão ferido em um braço. [João de Barros (1496-1570), Décadas da Ásia, Década Primeira]

[...] porque a dorida e lastimosa nova do principe ja ser morto, poderia ser que sabendo-a doutrem seria risco de suas vidas, lha quis dar primeiro que ninguem. [Garcia de Resende, Vida e feitos d'el-rey Dom João Segundo, 1533]

Onde estão os pobres homens, que transfegão pelo mundo com tanto risco de suas almas, & vidas? [Amador Arrais, Diálogos, 1589]

Há no entanto casos em que dificilmente se poderia substituir risco de morte por risco de vida, nomeadamente quando quantificamos o risco de morrer ou com risco de morte por [qualquer causa]:

Segundo os cientistas de a Universidade da Califórnia em San Francisco, o fumo passivo aumenta em 30% o risco de morte por doenças de o coração. [Folha de São Paulo, 1994]

As companhias de seguros utilizam estas tabelas de vida para fazer uma estimativa do risco de morte [Enciclopédia (Corpus do Português)]

| improve this answer | |
  • 1
    Eu acho que é uma simplificação de "risco de perder a vida". No hospital ninguém diz "Ele está em risco de morte" e sim "Ele está em risco de vida", foi só mais um exemplo. – Jorge B. May 17 '16 at 15:08
  • 1
    @JorgeB. Pode ser que seja. Mas nós econtramos bem cedo risco de sua pessoa, que é difícil de parafrasear em risco de perder a sua pessoa. – Jacinto May 17 '16 at 15:17
  • 2
    @JorgeB. Mas a expressão risco de perder sua vida encontra-se com frequência no século XVI. – Jacinto May 17 '16 at 15:22
  • 1
    Durante minha vida inteira eu só ouvia "risco de vida", até q alguém (provavelmente da Rede Globo) veio c/ essa história de q não tem como "correr risco de viver" e "risco de morte" começou a pipocar pra td qt é lugar. – Enrico Brasil May 19 '16 at 2:51
5

Comecemos por risco de morte. Esta expressão é parafraseável por risco de morrer, ou seja, probabilidade/possibilidade de morrer, sendo a principal diferença entre probabilidade e risco o facto de risco poder apenas ser usado com situações indesejáveis. O argumento de risco, introduzido por de, tem de representar um evento, mudança de estado, ou estado futuro indesejável quando inclui uma oração:

Duplicou o risco de morrer.
Duplicou o risco de que morra.
Duplicou o risco de o país ficar ingovernável.
*Duplicou o risco de estar morto.
*Duplicou o risco de o país ser ingovernável.
??Duplicou o risco de o país estar ingovernável.
Duplicou o risco de o país vir a estar ingovernável.
*Duplicou o risco de vivermos.

Se por outro lado o sintagma proposicional incluir não uma oração, mas um sintagma nominal, a leitura é aproximadamente equivalente a risco de X ocorrer, risco de passar a um estado de X, quando é possível.

Duplicou o risco de morte.
Duplicou o risco de ingovernabilidade.
*Duplicou o risco de feiúra.
*Duplicou o risco de indesejabilidade.

Existem contudo casos em que a ideia de futuro está mais esbatida, como risco de pobreza, risco de desemprego, estas expressões são antes índices, parafraseáveis por frequência de situações de pobreza/desemprego.

Depois, temos expressões como risco do novo empreendimento, risco de crédito. Embora ligeiramente diferentes, de introduz em ambas a fonte do risco — o risco de o novo empreendimento falhar, o risco de o crédito não ser pago.

Passemos então para risco de vida. Creio que a leitura mais fácil é ler risco de vida como risco para a vida, i.e., vida é a entidade ameaçada pelo risco, o tema do risco. Nos exemplos que o Jacinto dá, de pode ser substituído por para. Como neste caso já não estamos a falar da probabilidade de um dado evento futuro ocorrer, mas sim de uma ameaça para uma entidade:

Aumentou/Agravou-se o risco de vida.
*O risco de vida aumentou em 30%.
??O risco de vida duplicou.

Procurei outros exemplos modernos deste uso no CETEMPúblico e não encontrei nenhum. É possível que seja apenas um uso cristalizado de de, substituído hodiernamente por para.

| improve this answer | |
0

Todas as línguas têm suas expressões idiomáticas que não passariam em uma análise lógica ou semântica. Um bom exemplo disso é quando dizemos "pois não", em pt-BR, e isso significa um "sim". Conforme foi mencionado em um comentário, "risco de vida" pode ser explicado como "risco de perder a vida", "por a vida em risco". Mas mesmo que não tivesse uma explicação, o uso popular consagra qualquer expressão, faça ela sentido ou não. Em pt-BR, noventa e nove por cento da população usa ou está habituado ao termo "risco de vida". Porque então dizer "risco de morte"? Só para ser diferente?

| improve this answer | |

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.