7

Tenho ouvido dizer que o uso da palavra "vossa" é para o plural da palavra "tua". Surgem-me, então, dúvidas sobre o uso desta palavra. Afinal, é ou não certo dizer-se "vossa excelência", "vossa mercê" e "vossa pessoa" quando se está a querer prestar referência a apenas uma pessoa? Não seria a forma correcta, nestes casos, dizer-se no singular "tua excelência", "tua mercê" e "tua pessoa"?

  • renanlinux não é o caso de escandalizar ninguém, os sites da rede Stack Exchange têm por norma não utilizar saudações para manter o foco na dúvida, além disso, segundo os CM's tem também um mecanismo que limpa saudações automaticamente. – Jorge B. May 11 '16 at 9:29
  • renanlinux dá uma olhada na ajuda do site na parte que diz Do not use signature, taglines, or greetings. – Jorge B. May 11 '16 at 9:39
  • @JorgeB. Eu evitaria substituir correcta por correta, etc., a não ser que o resto da pergunta seguisse as convenções do AO1990. Afinal de contas, o acordo não está em vigor em muitos países lusófonos, como Angola e Moçambique. – Artefacto May 11 '16 at 10:20
  • @Artefacto tens toda a razão, de qualquer forma já foi revertida a edição. – Jorge B. May 11 '16 at 12:19
7

É preciso não confundir a pessoa semântica dos pronomes, i.e., quem designam no discursos (falante, ouvinte, ou terceiros, respetivamente para a 1.ª, 2.ª ou 3.ª pessoas) com a pessoa gramatical, que é apenas de natureza morfossintática, e não coincide necessariamente com a pessoa semântica. Vossa Excelência, Vossa Mercê, tal como você e a a gente, constituem formas de tratamento; são pronomes ou locuções pronominais em que a pessoa semântica não coincide com a pessoa gramatical, já que todas elas levam o verbo para 3.ª (com a ressalva de que, durante alguns séculos, o tratamento por Vossa Excelência fez alternar pronomes e desinências verbais da 2.ª e 3.ª pessoas). Vê: Gramática do Português da Gulbenkian, pág. 899-900.

Em particular, o motivo por que se usa Vossa Excelência em lugar de Tua Excelência, prende-se com a forma que a distinção T-V tomava nas primeiras fases da língua (Gramática Histórica da Língua Portuguêsa, M. Said Ali, edição de 1964, ortografia original):

  1. Do latim vieram os pronomes tu e vós como tratamento direto de pessoa ou pessoas a quem se dirigia a palavra. Tornando-se tu insuficiente para expressar o sentimento de humildade e respeito, recorreu-se ao tratamento indireto. Por um dos expedientes, o mais antigo em linguagem portuguêsa, o atrevimento de vir perante um indivíduo de hierarquia superior, e olhar para êle face a face, se disfarçou fingindo repartida a vista pelo seu cortejo ou nimbo, real ou imaginário. Desta atenção, com que se magnificava e lisonjeava a pessoa única, se originou o costume de empregar o plural vós, em vez do pronome singular, como simples prova de respeito e polidez, depois de apagada da memória a imagem da situação primitiva.
  2. Outro modo de tratamento indireto consistiu em fingir que se dirigia a palavra a um atributo ou qualidade eminente da pessoa de categoria superior, e não a ela própria. Assim, aproximavam-se os vassalos de seu rei com o tratamento de vossa mercê, vossa senhoria, substituído depois por vossa alteza e finalmente por vossa majestade; assim usou-se o tratamento ducal de vossa excelência e adotaram-se na hierarquia eclesiástica vossa reverência, vossa paternidade, vossa eminência, vossa santidade.
  • Obrigado pelo suporte! Não chega a ser o caso de, se se disser a um presidente de república, como prestando referência a ele, tú, seja falta de boa educação, correcto? Pois que, em dicionários de língua portuguesa, a palavra "tú", de maneira nenhuma é ofensa. Lembro-me de livros, em que pessoas se referem a reis, dizendo: "Tu". Quanto aos reis, não deixaram de tratar a estas pessoas, pacificamente, dentro de leis. Até mesmo a Deus, que é pregado no monoteísmo, como O mais Perfeito, dentre nós, é dito-lhe, "Tú". – renanlinux May 11 '16 at 8:45
  • @renanlinux Referires-te ao Presidente da República por_tu_ seria sem sombra de dúvida falta de educação (a não ser que fosses amigo dele e te estivesses a dirigir a ele nessa capacidade). A forma de tratamento convencial para o Presidente da República) é Vossa Excelência. – Artefacto May 11 '16 at 9:10
  • Isso deve ser coisa da atualidade, isso não consta em livros antigos que eu já tenha visto. – renanlinux May 11 '16 at 9:29
  • @renanlinux Não, não é recente. A distinção TV entre tu e vós (este úiltimo mais tarde substituído por outros pronomes ou locuções) é muito antiga na língua. Repara que o mesmo aconteceu noutras línguas (inglês, ye / you por thou, francês, vous por tu, etc.) – Artefacto May 11 '16 at 10:17

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.