6

Consideremos as seguintes frases:

(a) Vou buscar uma maçã.

(b) Vou buscar uma maçã à cozinha.

(c) Vou à cozinha buscar uma maçã.

(d) Vou à cozinha.

Vou parece ser verbo auxiliar em (a), mas em (d) só pode ser verbo pleno. E em (b) e (c)? Por outro lado, vou parece ter exatamente o mesmo significado em todas as quatro frases. Mesmo em (a), há a ideia de percurso própria do verbo pleno ir: para ir buscar a maçã eu tenho de me deslocar, ir, ao lugar onde a maçã está.

Então onde é que vou é auxiliar e onde é que é verbo pleno? Podemos interpretá-lo como verbo pleno em (a)? Qual é o critério? Nomeadamente em (b) e (c), onde vou parece auxiliar buscar, mas onde se diz que vou à cozinha?

5

Em (b), (c) e (d), ir é pleno. (a) é um tipo de frase estruturalmente ambíguo, mas neste caso parece-me que ir é também pleno.

A Gramática do Português tem uma caixa (páginas 1264-1266) que endereça precisamente este assunto. Passo a transcrever as partes mais relevantes:

(i) a. A Maria foi comprar o jornal.
    [...]

(ii) a. A Maria foi comprar o jornal à tabacaria.
     [...]

[A] expressão direcional é necessariamente legitimada pelo verbo ir (cf. a Maria foi à tabacaria, [...]), e não pelo segundo verbo (cf. a impossibilidade de *a Maria comprou o jornal à tabacaria, [...]). Por outras palavras, em (ii) a expressão direcional é um complemento do verbo ir, o que, dada a propriedade (A) dos verbos auxiliares [«os verbos auxiliares não selecionam argumentos»], indica que este verbo é aí pleno, não auxiliar. O conteúdo destes exemplos pode, aliás, ser expresso por frases em que fica claro, por um lado, o estatuto de ir como verbo pleno e, por outro, o estatuto do predicado com o verbo infinitivo como um adjunto adverbial de finalidade:

(iii) a. A Maria foi à tabacaria [(para) comprar o jornal].
      [...]

Face a estes factos, é possível analisar igualmente os exemplos de (i) como envolvendo o verbo pleno ir, sem um complemento direcional explícito. Nestas frases, o predicado que segue o verbo ir é equivalente semanticamente à expressão de finalidade entre parênteses retos dos exemplos de (iii), Esse predicado, aliás, pode mesmo, em certos casos, ser reinterpretado como um complemento direcional. Assim, é perfeitamente adequado responder a uma pergunta como aonde é que foi a Maria? [...] unicamente com a expressão comprar o jornal [...].

De seguida passa-se a analisar uma outra propriedade dos verbos auxiliares: «Uma frase ativa transitiva contendo uma perífrase verbal tem o mesmo significado básico da sua contraparte passiva». Esta regra é violada tanto pelo exemplo (i) como (ii) (*o jornal foi ser comprado (à tabacaria) pela Maria), o que sugere ir ser pleno em ambos os casos. De seguida, a análise volta-se para o presente:

(iv) a. A Maria vai comprar o jornal (à tabacaria).
     [...]
[...]
Sem o complemento direcional, no entanto, os exemplos (iva,b), com o verbo ir no presente do indicativo, contrariamente a (ia,b), com o verbo no pretérito perfeito, admitem passivização, preservando a sinonímia do par ativo-passivo. Este facto indica que, neste caso, o verbo ir é auxiliar: cf. o jornal vai ser comprado pela Maria com *o jornal foi ser comprado pela Maria). É plausível supor, então, que nos exemplos de (iv) sem o complemento direcional e com o verbo no presente do indicativo ir tanto pode ser verbo auxiliar como verbo pleno. Esta ambiguidade surge sempre que o sujeito da frase é uma entidade capaz de locomoção autónoma e o seu envolvimento na situação descrita pelo predicado com o o verbo no infinitivo [...] é compatível com a sua locomoção para um lugar diferente daquele onde se encontra inicialmente.

Esta análise parece sugerir que (a) é ambígua. Mas podemos argumentar que a frase (a) não admite passivização: uma maçã vai ser buscada parece muito estranha e portanto (a) seria sempre um uso pleno. Não tenho a certeza de que isto não seja apenas uma idiossincrasia da evolução do verbo buscar, que se especializou de tal forma que a frase passiva parece estranha. Mas buscar significa geralmente procurar; só quando se associa ao verbo ir passa a significar ir a algum e sítio e trazer. Trazer não é o mesmo que procurar, mas isto parece sugerir que de facto ir é usado com o seu sentido de locomoção.

| improve this answer | |

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.