9

Vejo com frequência os falantes não nativos terem dificuldades com a posição de «sempre». Nomeadamente, em português europeu, a seguinte frase não é possível (sempre tem de estar em posição pós-verbal):

*Ele sempre se recusava a falar do assunto.

Mas estas são-no, embora com significados diferentes:

Ele recusou-se sempre a falar do assunto.
Ele sempre se recusou a falar do assunto.

Em português do Brasil, as regras parecem ser diferentes.

A pergunta é, então, quais são as posições possíveis de «sempre» nas duas variedades, quais são as diferenças de significado e qual a lógica por trás das regras?

  • 1
    I can't believe my eyes. The first sentence looks completely legitimate to me. habitual past tense verbs should be modifiable. The second sentence also looks great. The third, though, has "always" modifying a preterit past —you'd think that would never be correct: "always" implies a habit or custom and pretty much directly contradicts a specific instance of anything. – roberto tomás Apr 2 '16 at 11:43
7

Precisamos de distinguir os dois tipos de significados de sempre. Há os significados temporais:

Continuamente: Tenho sempre fruta em casa;
Regularmente: Ele levanta-se sempre às 7 da manhã;
Em todas as ocasiões: Ele recusava-se sempre a discutir o assunto;
Repetidamente: Ele está sempre a interromper-me.

Mas depois há os significados alternativos, que são muito comuns em Portugal; no Brasil são igualmente comuns na literatura do século XIX, mas parecem ter rareado no XX. Nestes sentidos, sempre vem sempre antes do verbo:

Apesar de dúvidas; contra as expetativas; confirma-se que; afinal:
Ele disse que não vinha ao jantar, mas sempre veio.
Disseste que talvez viesses connosco à praia; sempre vens?

Realmente: sempre és muito guloso!

Apesar de tudo o resto; pelo menos; afinal:
Aceitei o estágio não remunerado; sempre ganho alguma experiência.
Fui com eles à praia; sempre foi melhor que ficar sozinho em casa.

Sempre querer ver, que não encontrei em dicionário nenhum. Tipicamente irónico, exprimindo ceticismo, pessimismo:
Sempre quero ver onde é que vais comprar uma gravata a uma hora destas.
Ele disse que fazia o jantar; sempre quero ver o que é que dali sai.

No sentido temporal, é verdade que frases do tipo «ele sempre se recusava a discutir o assunto» soam estranhas a ouvidos portugueses, mas parecem ser comuns no Brasil. Há no entanto certo tipo de construções em que o sempre temporal vem, mesmo em Portugal, sem problemas antes do verbo, nomeadamente quando sempre vem adverbiado por nem ou quase, ou em orações iniciados por pronomes relativos, como, porque, etc.:

Ele nem sempre se recusava a discutir o assunto

Ele quase sempre se recusava a discutir o assunto.

Como ele sempre se recusava a discutir o assunto, nós nem sequer tentávamos.

Não tocávamos no assunto, porque ele sempre se recusava a discuti-lo.

Era esse o assunto que ele sempre se recusava a discutir.

Era esse o assunto cujos pormenores ele sempre recusava discutir.

Não era a Joana, mas sim ele quem sempre se recusava a discutir o assunto.

Exceto no primeiro exemplo, pospor o sempre não alteraria o significado. Já o primeiro exemplo me parece diferente de «ele nem se recusava sempre a discutir os assunto».

Andei a ver neste Corpus do Português o padrão do uso de sempre. No presente e pretérito imperfeito do indicativo no Brasil do século XIX e em Portugal até hoje, o sempre é anteposto ao verbo praticamente só neste tipo construções ou quando tem um dos significados alternativos. Já no Brasil do século XX aparece anteposto aparentemente em todo o tipo de construções com sentido temporal, ao passo que os significados alternativos praticamente desapareceram. No pretérito perfeito, quer no Brasil quer em Portugal, o sempre temporal já é liberalmente usado antes do verbo, e os significados alternativos raramente aparecem. Esta raridade dos significados alternativos no pretérito perfeito em Portugal é curiosa: creio que os meus dois exemplos acima com sempre + pretérito perfeito são perfeitamente típicos em Portugal.

É verdade, como se pode ver na tabela abaixo) que há no Brasil relativamente a Portugal uma maior tendência a antepor o sempre ao verbo (o rácio (sempre + verbo)/(verbo + sempre) é sempre maior no Brasil). Predomina no entanto, nos dois países, o sempre posposto no presente e pretérito imperfeito do indicativo; enquanto no pretérito perfeito predomina o sempre anteposto.

                         Presente            Imperfeito           Perfeito
                    Portugal  Brasil     Portugal  Brasil     Portugal Brasil
(1) Sempre + verbo    473      600         302      305         699     963
(2) Verbo + sempre   1317     1018         680      401         458     164
(1)/(2)              0,36     0,59        0,44     0,76         1,5     5,9
Ocorrências nos 100 primeiros verbos no Corpus do Português. 

Resta dizer que dizer que «ele sempre se recusava a falar do assunto» é impossível no português europeu é uma força de expressão. A frase soa-me estranha, mas conseguem-se encontrar em Portugal frases do mesmo tipo (isto é, que me parecem igualmente um pouco estranhas; ênfase minha):

Corina […] tinha contínuas entrevistas com damas responsáveis que a requisitavam para os saraus de beneficência, revistinhas cantaroladas com guarda-roupa de papel e quadros-vivos ― o sonho de Jacob, a bela adormecida no bosque ― e em que Corina sempre era a princesa de gola à Médicis sorrindo sobre um leito de tapete de mesa de jantar. (Agustina Bessa Luís, Os Incuráveis, 1982.)

Assim (..) dum' auganal', como a gente cá chama. Aquilo é por baixo; e a gente sempre tinha um espiche lá (..) no fundo daquele pote, quando ia subindo (..).. Tinha água..(Corpus de dialetos portugueses CordialSIN PVC12)

  • Está bem visto que nos significados alternativos sempre vem preposto (incl. no imperfeito ah, então sempre gostavas dela!) e que nem leva consigo sempre para trás do verbo. Mas o resto já não consigo acompanhar. A posição canónica com quase é depois do verbo (CETEMPúblico: 4 contra 20) e as restantes frases parecem-me ser ou mais incomuns ou mesmo marginais. Parece-me ainda que há uma diferença entre as duas posições que não exploras: sempre ouvi dizer parece-me diferente de ouvi sempre dizer e (continua) – Artefacto Apr 3 '16 at 23:54
  • 1
    @Artefacto No Corpus também é em Portugal 23 imperfeito + quase sempre contra 7 imperfeito + quase sempre. Mas o que eu digo em relação a esta construção e às restantes é que não me soam estranhas, e o sempre preposto ao imperfeito e presente, para além dos significados alternativos, ocorre praticamente só em construções desse tipo. Depois há muita coisa que eu não abordo porque não cheguei a conclusão nenhuma. – Jacinto Apr 4 '16 at 8:22
  • 1
    @Centaurus Aí dirias «disse que vinha, mas não veio», «mas afinal não veio», «mas não chegou a vir», «mas acabou por não vir». – Jacinto Apr 4 '16 at 8:30
  • 1
    Eles fazem uma distinção entre quantificação temporal universal (pré-verbal) e correlação de eventos (pós-verbal, exigindo uma sucessão de eventos). Quererão com isto dizer que comparando Arafat sempre defendeu um Estado multiétnico com Arafat defendeu sempre um Estado multiétnico, a diferença seria a mesma que entre não houve período em que Arafat não defendesse a multietnicidade e não houve ocasião em que Araf não defendesse a multietnicidade? Parece-me plausível, mas não tenho a certeza. – Artefacto Apr 4 '16 at 17:52
  • 1
    @Artefacto Também me parece plausível. Fiquei com a sensação de tender a encontrar a anteposição mais em qualidades permanentes (sempre foi muito curioso) e a posposição mais quando há ações implícitas (foi sempre difícil prever o passo seguinte do dr. Savimbi). Mas parece-me apenas um tendência: também encontro foi sempre enfermiça e triste. Mas é verdade que o sempre ganha força ao ser anteposto. Estou a pensar porque é que não é anteposto no presente e imperfeito. Será por não ser necessário? Estes tempos não estão limitados no tempo: ele é/era curioso significa que é/era sempre. – Jacinto Apr 4 '16 at 18:51
3

Em ptBR o advérbio "sempre" não parece mudar o significado da frase quando posicionado nas duas formas indicadas na pergunta.

  • "Ele sempre desejou ter um BMW" ou "Ele desejou sempre ter um BMW" - A segunda frase soa menos usual que a primeira mas tem o mesmo significado.

  • "Ela sempre se ofereceu para ajudar" ou "Ela se ofereceu sempre para ajudar" - Da mesma forma, não percebo nenhuma diferença semântica entre as duas frases.

Diferentes de "Ela se ofereceu para ajudar sempre.", em que o significado pode ser "sempre que precisassem", "sempre que necessário", etc.

  • 1
    Pois, eu vejo frequenemente «sempre» em posição pré-verbal em textos brasileiros onde em Portugal se usaria em posição pós-verbal. Em Portugal, «ele desejou sempre ter um BMW» é a frase «normal», «sempre desejou» é uma posição mais marcada. Faria sentido por exemplo em: - Parece que ele agora quer um BMW. - Ele sempre quis ter um BMW. De qualquer forma, respondes apenas a parte da pergunta. E com os outros tempos verbais? – Artefacto Apr 2 '16 at 12:01
  • @Artefacto Embora eu sempre recorra a norma culta ao responder, minhas respostas não seguem a gramática prescriptivista a risca. Respondo como alguém que é um falante nativo há muitas décadas e sempre me refiro à língua viva, conforme ouço e leio habitualmente em jornais e revistas. Em pt-BR "ela sempre procurou", "ela procurou sempre", "ela sempre procurava", "ela procurava sempre", etc, a diferença é apenas o tempo verbal. O significado muda porque o tempo verbal mudou, mas a posição pré ou pós verbo, de um modo geral, não altera o significado. – Centaurus Apr 2 '16 at 16:33
  • 2
    Confirmo o que o Centaurus diz. Quase sempre em pt-BR, tanto antes quanto depois do verbo, o significado continua o mesmo. Porém, em alguns casos, pode ser interpretado de duas maneiras, como por exemplo o exemplo da BMW. "Ele desejou sempre ter um BMW", também pode ser entendido que ele desejou ter uma BMW para o resto da vida dele (para sempre). – Yuuza Apr 4 '16 at 16:36
  • @BrunoLopes É verdade, não havia pensado nessa possibilidade – Centaurus Apr 4 '16 at 22:59
  • @ANeves soa melhor assim. – Centaurus Jun 13 '17 at 16:06

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.