11

Em Portugal diz-se e escreve-se num e numa, e não em um ou em uma, mesmo nos registos mais formais. Mas há pelo menos uma exceção: a expressão dois em um, como por exemplo:

Estive numa loja e comprei este produto que lava e amacia: são dois em um.

No Brasil poderá não ser tão óbvio, para quem está a ver as coisas aqui de Portugal, se dois em um é excecional, dada a tendência para empregar em um/uma em vez de num/numa nos registos formais. Mas numa busca rápida encontrei dois em um neste artigo e nesta canção que também usam num e numa, e a letra da canção é até bem informal. Confirma-se portanto que dois em um é excecional também no Brasil? Ou num registo informal ficaria na frase acima numa loja (...) são dois num?

A pergunta é então o porquê de dois em um? É apenas por uma questão de sonoridade: são dois em um! soa bem, e são dois num! soaria muito brusco? Ou há alguma subtileza gramatical que nos leve a dizer são dois em um! mas figos? Estão ali dois num prato.

Procurei outros casos em que empregasse em um, e consegui encontrar apenas uma frase arrevesada. Imaginem-me ao telefone:

A mesa é muito pesada para a levares sozinha lá para fora. Espera pelos convidados. Em um deles chegando, pede-lhe que te ajude.

Seria gramatical dizer-se num deles chegando? Este um é gramaticalmente o mesmo que o de dois em um? Ou por que razão em um deles chegando soa melhor (se é que concordam comigo) que num deles chegando?

  • 2
    Bem, vejo que o "p" de excepcional caiu em pt-PT e isso significa que não era pronunciado. Aqui continua sendo pronunciado. Já em "subtileza" me parece estranho que o "b" seja pronunciado em pt-PT. Alguma explicação? – Centaurus Mar 30 '16 at 2:15
  • 2
    @Centaurus o b de subtil é pronunciado em Portugal. Encontro-o em autores brasileiros do séc. XIX. Imagino que no Brasil fosse mudo e tenha caído com a reforma de 1943. Mas Fernão Lopes, um dos maiores escritores do sec. XV, antes do português chegar ao Brasil, escrevia sotil. Muitas destas consoantes foram latinismos adotados por escritores renascentistas. – Jacinto Mar 30 '16 at 9:07
2

Consultando a lista de ocorrências de "em" [lema="um"] no CETEMPúblico, salta à vista que, na maioria das ocorrências, um tem função de quantificador numeral. Por exemplo, "em" "um" "milhão" ocorre 47 vezes, contra apenas 8 de "num" "milhão".

Por vezes, a escolha entre em um e num pode ter influência no significado:

Em um mês, o preço do crude subiu 20%.

Com num poderíamos interpretar a frase como num certo mês, ...

Estando esta análise correta, seria já por isso de esperar uma preferência por dois em um, dado que o constraste numérico reforça o valor de cardinalidade. Por outro lado, se atenuarmos a leitura de cardinalidade, já podemos usar a contração: vou converter dois objetos em um vs. vou converter dois objetos num único (objeto). Também poderá estar em jogo um carácter fixo da expressão X em um.

Recuando um pouco, é preciso dizer que a escolha entre as duas formas é largamente arbitrária. No Brasil, em um é longe preferido à contração na escrita (analogamente, raramente se usa dum na escrita em Portugal). E eu lembro-me de ter um professor de geografia que nunca usava a contração (não me lembro de onde era), por isso é possível que também haja alguma variação regional. Mesmo no CETEMPúblico, encontram-se algumas (raras) passagens onde estamos perante um artigo indefinido (há casos ainda mais óbvios, com uns/umas, mas esta é mais interessante):

par=ext2545-nd-91b-1: Esperava que me escrevesses de todos os lugares por onde passasses; que as tuas cartas seriam mui extensas; que alimentarias a minha paixão com as esperanças de ainda ver-te; que uma inteira confiança na tua fidelidade me daria alguma espécie de repouso, e que ficaria assim em um estado assaz suportável, sem extrema dor.

Outro caso em que tipicamente não se faz a contração é quando o segundo elemento faz parte de um sujeito de uma oração infinitiva (independentemente de qual é a segunda partícula):

par=ext204613-clt-92b-1: A novidade introduzida por Ice-T está em ele ser o primeiro artista negro procedente do rap a operar a transição para o heavy metal.

Quanto a em + <gerúndio>, creio que é análogo a este caso. Mas essa construção (exprimindo tempo ou contingência) é arcaizante em Portugal; no Brasil a fobia de usar a contração complica a análise. Em todo o caso, procurei por "nele" [temcagr="GER"] no Corpus Brasileiro do Projeto AC/DC e nenhum dos resultados incluía a construção. Com "em" "ele", temos esta passagem:

Porém, reforçamos o fato de em ele tendo casa, e pessoas que de alguma forma o queriam e com os encaminhamentos já dados, ele estaria a desperdiçar e também de alguma forma tirar o lugar em instituições, de outros meninos que não possuíam suas condições.

Um exemplo em que a contração em + ono não é feita:

O que a reforma precisa é de criar as condições necessárias para que, em o País voltando a crescer, se ampliem também as ofertas de trabalho.

| improve this answer | |
  • Também me parece que ser o ele, um, etc. parte do sujeito obsta a contração. Não sei é se isso é tendência ou se a gramática normativa diz algo acerca disso. No meu exemplo eu não diria num deles chegando; não sei se não era capaz de dizer a novidade está nele ser. – Jacinto Apr 1 '16 at 19:55
  • @Jacinto É uma regra, sim, vê por exemplo aqui. Com a preposição de, contudo, tende mais a não ser observada. Vê também este artigo. – Artefacto Apr 1 '16 at 20:06
  • Ahh, mas o segundo artigo diz que a contração de de com artigo ou pronome tem pergaminhos mesmo quando o artigo ou pronome fazem parte do sujeito. Mas a justificação, sendo fonética, parece-me não se aplicar ao em. – Jacinto Apr 1 '16 at 20:50
  • @Jacinto Sim, não me parece que a lógica seja completamente transponível para em, lógica essa, de resto, já de si bastante discutível. Muita gente diz eu acabei do ver (di-u também possível), mas nunca ninguém se lembraria de escrever dessa forma. A fonética não é completamente determinante. O que ele tem do seu lado são os tais pergaminhos. – Artefacto Apr 1 '16 at 21:01
2

Acho que é que:

"num/numa" são contrações de "em" com o artigo indefinido "um/uma". O "um" em "dois em um" é um objeto definido, um número específico, não é um artigo.

| improve this answer | |
  • 1
    Fiz umas correçõezitas na tua resposta. Mas eu não tenha a certeza que a tua resposta esteja correta, por isso não votei. Nós dizemos coisas como «achas que precisamos de dois caixotes, ou caberá tudo num?». O um deste num também não é um número específico? – Jacinto Mar 30 '16 at 9:38
  • obrigado pela ajuda. «achas que precisamos de dois caixotes, ou caberá tudo num?» pode ser artigo o número, me pareces. em inglês tem dois variantes de artigo indefinitivo como "um/uma": "one" e "a/an". Ambos são iguais como artigo, ainda "one" tem um aspeito numérico. em priberam, "num" só tem o significado que eu descrevi. embora não é um recurso definitivo. – roberto tomás Mar 30 '16 at 11:33
  • Mas o Aulete já indica também num = em um com um numeral. – Jacinto Mar 30 '16 at 11:39

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.