7

Imigrante e emigrante são palavras opostas que são muito fáceis de confundir, visto que cada imigrante é um emigrante, e cada emigrante um imigrante. Ouvi que têm a mesma pronúncia (pelo menos em Portugal?), quer dizer que o ‹e› inicial em emigrante se pronuncia como /i/. Então na língua oral, como é possível fazer a distinção, de forma eficiente, entre as duas palavras?

Por exemplo, posso utilizar para e de para isso?

Ele é emigrante da França (porque agora vive fora)

Ela é imigrante para a Alemanha (porque não é alemã)

Ou posso conseguir isso com uma pronúncia exagerada? Por exemplo "êêmigránte"/"éémigránte" e "íímigránte"? Se for, seria melhor usar /ê/ ou /é/?

  • 4
    Parece-me aceitável, quando se quer realçar que é emigrante e não imigrante, exagerar a pronúncia com acento de insistência intelectual na primeira sílaba (vê esta pergunta) e alterando a pronúncia do e inicial para /e/. – Jacinto Mar 5 '16 at 17:03
  • Quando dizes "ouvi que que têm a mesma pronúncia" queres dizer que ouvistes falantes pronunciarem emigrante como imigrante? Soa bem estranha esta troca, já que o "e" em início de palavras nào costuma ser falado como "i". Pense em outras palavras que iniciem com as mesmas sílabas, tais como emitir, Emília (nome próprio) ou emirado. Seria bastante estranho (e nunca as ouvi assim) que elas fossem pronunciadas como imitir, imília e imirado. – gmauch Mar 6 '16 at 13:12
  • 1
    @gmauch estranho que te pareça, é assim que essas palavras são pronunciadas – Artefacto Mar 6 '16 at 14:21
  • 1
    @gmauch talvez seja uma diferença transatlântica. Pelo menos no Norte de Portugal, soa (mais ou menos) como "imitir", "imília" e "imirado". – ANeves Mar 7 '16 at 15:04
  • @ANeves, teu comentário faz sentido. Acho que cabe ao OP nos esclarecer o contexo onde ouviu esta troca do E por I. Caso ele confirme que isto ocorreu em Portugal, sugiro adicionar a tag "portugal" à questão. – gmauch Mar 8 '16 at 11:08
6

As palavras são de facto homófonas (pelo menos na língua padrão); a ambiguidade ou se desfaz pelo contexto, ou, permanecendo, poderá não alterar significativamente o sentido da frase (porque como dizes é apenas uma questão de perspectiva). Por exemplo, uma frase como:

Os imigrantes são um grande problema.

é ambígua; mas geralmente não surgirá isolada:

Os imigrantes têm chegado aos milhões nos últimos meses; são um grande problema.

Emigrante de/da França e imigrante para a Alemanha não se usam muito.

Para designar o país de origem, em vez de emigrante da França, diz-se geralmente emigrante francês (mas também se ouve um emigrante da Jamaica, por exemplo).

Para designar o país de destino, usa-se mais a preposição em. Por exemplo: um emigrante açoriano no Canadá (mas: o açoriano emigrou para o Canadá).

Em todo o caso, quer emigrante, quer imigrante designam uma migração de um local para outro; adjuntos introduzidos por de e para não esclareceriam nada a respeito da escolha entre as duas palavras, porque não dão informação sobre o país usado como referência.

  • Não gosto desses exemplos. Alguém pode "estar emigrado cá", e alguém pode "estar imigrado em". A complexidade extra da frase parece trazer mais informação, mas na verdade não a traz... porque se pode também dizer as frases opostas: «ele está imigrado em França»; e «ele está emigrado cá na Alemanha.» Ou estou a perceber isto mal? – ANeves Mar 5 '16 at 18:50
  • @ANeves sim, parece-me que tens razão. Editei a resposta. – Artefacto Mar 5 '16 at 19:40
  • 1
    As palavras não são homónimas, quando muito seriam homófonas, sendo que nesse caso seria mais uma questão do sotaque do que grafia/leitura. – Joum Mar 10 '16 at 12:17
  • 1
    @Joum Obrigado pela correção. – Artefacto Mar 10 '16 at 13:49

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.