12

É sabido que, pelo menos antes do Acordo Ortográfico de 1990, o português europeu e o português brasileiro tinham convenções diferentes sobre o uso de "porque"/"por que" em interrogativas diretas e indiretas, como aliás descrito nas respostas desta pergunta.

Contudo, a força legal da norma que determinava (determina?) o uso de "porque" é, segundo João Peres e Telmo Móia em Áreas Críticas da Língua Portuguesa (1995), uma portaria do tempo da ditadura (p. 340-341, ortografia original):

[...] [E]xiste um texto com força legal em Portugal, no qual se estipula a existência de uma unidade porque com duas realizações homónimas, pertencentes uma à categoria «conjunção» e outra à categoria «advérbio» [nota de rodapé: Trata-se do Vocabulário Ortográfico Resumido da Língua Portuguesa (Imprensa Nacional, Lisboa, 1970), elaborado pela Academia das Ciências de Lisboa e pela Academia Brasileira de Letras, nos termos do Decreto n.o 35 288, de 8 de Dezembro de 1945. Complementarmente, deve-se ter em conta que a Nomenclatura Gramatical Portuguesa, estabelecida pela Portaria n.o 22 664, de 27 de Abril de 1967, do Ministro da Educação Nacional, mantém a classe de palavras «advérbio interrogativo de causa».]

Ora os autores consideram arbitrário grafar porque nos casos daquilo a que tradicionalmente se chama subordinadas causais (p.342), mas acima de tudo não consideram «minimamente fundamentada» a norma que determina em Portugal o uso de porque como constituinte interrogativo (p. 343):

Este tipo de construção é sem dúvida o mais problemático no que respeita à definição de uma norma minimamente fundamentada. Numa tentativa de clarificação, saliente-se, em primeiro lugar, que a expressão que é também neste caso um elemento pronominal, independentemente de se considerar ou não que ele precede uma posição nominal vazia. Trata-se, na verdade, exactamente do mesmo tipo de que que encontramos associado a uma posição argumental nas frases de (1228) [a. Por que luta a maria (com o sentido de: por que coisas luta a Maria?); b. Por que é que a Maria trocou a minha prenda? (com o sentido de: por que coisas trocou a Maria a minha prenda?] ou a uma posição não argumental, com valor final, na frase seguinte:
  (1231) Para que fizeste isso?
Temos, pois, de concluir que não há -- muito pelo contrário! -- qualquer razão imperativa de carácter semântico ou sintáctico para que em construções com as características semântico-sintáticas de (1230) se aplique a justaposição -- isto é, se use porque em vez de por que. [...] [S]ó uma convenção pode impor tal procedimento. Ora, como já vimos, tal convenção foi estabelecida para Portugal por diploma legal, ao contrário do que acontece no Brasil, onde a norma oficial determina a separação. Cremos que a a clareza estrutural da língua talvez tivesse algo a ganhar se, neste particular, Portugal seguisse a prática brasileira [...].

Foi a portaria de 1967 revogada? Existe uma outra em vigor no mesmo sentido? Em interrogativas, pode hoje em dia usar-se (ou tem mesmo de se usar) por que em Portugal?

1

Segundo o ciberduvidas "por que" tem significado similar a "por qual", e "porque" tem significado similar a "por qual motivo/razão".

Portanto a forma correta será escrever:

Por que motivo fizeste isto?

ou

Porque fizeste isto?

Se omitirmos o "motivo", escrevendo "porque fizeste isto", ficamos com uma frase com significado similar a "por qual fizeste isto" o que não faz sentido.

-1

De acordo com este site a utilização mais correta da pergunta ''Porque fizeste isso?'' seria ''Por que fizeste isso?'', pois explica no site que 'por que' utiliza-se quando se pergunta por uma razão como: ''Por que 'razão' fizeste isso?'

Portanto eu opto por 'Por que'. Espero ter ajudado.

  • 5
    Receio que tenhas interpretado mal o link que deste, o qual diz exatamente o contrário: "Escreve-se porque ... c) Quando é advérbio interrogativo: «Porque não vens comigo?» «Porque faz ele isto?»". Em todo o caso eu sei qual são as regras (pelo menos pré-acordo) em relação ao uso de porque e por que, distintas em Portugal e no Brasil. O que estou a perguntar é se a alteração do quadro legislativo com a entrada em vigor do acordo altera alguma coisa. – Artefacto Dec 16 '15 at 0:32

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.