5

No Brasil é costume não traduzir palavras estrangeiras, ao contrário de Portugal, onde palavras e também nomes próprios costumam ser traduzidos.

No Brasil costuma-se manter no original até mesmo siglas. Sei que em Portugal é costumeiro traduzir palavras estrangeiras, mas o mesmo se aplica a siglas? Consigo pensar em um exemplo famoso dessa diferença, a doença conhecida como AIDS no Brasil é aportuguesada como SIDA em Portugal, mas o mesmo se aplica em outros casos?

Para que a questão não seja considerada muito ampla (siglas de maneira geral), enumero a seguir alguns exemplos de siglas não traduzidas no Brasil e gostaria de saber como são usadas em Portugal.

Na área de tecnologia:

  • Laser (Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation)
  • Led (Light Emitting Diode)
  • USB (Universal Serial Bus)

Na área automotiva:

  • ABS (Antilock Braking System)
  • EBD (Eletronic Brake-Force Distribuition)
  • ESP (Eletronic Stability Program)

Órgão internacionais:

  • UNICEF (United Nations Children's Fund)
  • UNESCO (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization)
  • FAO (Food and Agriculture Organization)
10
4

As siglas e acrónimos apresentados na questão são também os usados em Portugal.

Na área da tecnologia parece-me ser uma tendência muito generalizada manter em Portugal as siglas e acrónimos originais. Posso acrescentar o CD (compact disk), PC (personal computer), DVD (digital video disk, funciona também em português), RAM (random-access memory), ROM (read-only memory), e coisas mais antigas como UHF (ultra-high frequency) ou TGV (train à grande vitesse, embora por extenso se diga comboio de alta velocidade).E ao contrário do afirmado na questão, usa-se também muitas palavras estrangeiras: air-bag, cockpit, laptop (concorre com portátil), browser, blogg, e-mail, site; e adaptações como net e mail.

Nos nomes de instituições usamos siglas e acrónimos baseados no nome inglês nuns casos, no nome em português noutros. Talvez uma coisa que influencie a escolha seja, para além de o nome por extenso ser ou não frequentemente usado, seja a facilidade de pronunciar o acrónimo. Por exemplo, nós dizemos NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte) possivelmente por ser mais eufónico que OTAN. Do mesmo modo dizemos EFTA e não AELC (Associação Europeia de Livre Comércio, da qual Portugal foi membro). Mas dizemos CEE (Comunidade Económica Europeia, predecessora da União Europeia).

Talvez isto tenha também contribuído para a preferência por SIDA: é, convenhamos, mais eufónico que AIDS

3
  • Não sei porquê mas esta resposta passou-me ao lado, nunca tinha pensado nisso dessa forma... Muito interessante. – Jorge B. Sep 26 '17 at 8:30
  • @JorgeB, referes-te à questão da eufonia? – Jacinto Sep 26 '17 at 8:43
  • Sim Jacinto, é um ponto de vista interessante e que tem bastante lógica. – Jorge B. Sep 26 '17 at 8:55
4

Na idade média era essencial a unidade línguística e religiosa como forma de um país manter suas fronteiras bem definidas. Todos os governantes tentaram, em maior ou menor grau, manter a língua de seu reino livre de estrangeirismos. Os portugueses, como "donos da língua" sempre zelaram muito mais por sua integridade que os outros povos falantes, a ponto de que em certa época não se podia registrar um filho com um nome estrangeiro ou inventado. E aqui, uma correção: conforme menciona @Artefacto em seu comentário, essa proibição é válida até os dias de hoje. Quanto a nós, brasileiros, é verdade que somos mais abertos a estrangeirismos, até nos nomes próprios. Mas, mesmo assim, no tocante às siglas, também as traduzimos. E os exemplos são muitos: ONU, OEA, OTAN, UE, EUA, URSS, DST, TOC, UTI, IAM, DPOC, RTU, etc.

PS Não houve nenhuma intenção de sarcasmo quanto a expressão "donos da língua". Realmente, no meu ponto de vista, os portugueses, espanhóis, ingleses, franceses, etc. são os donos de línguas que outros povos "tomaram emprestada" e que em alguns casos transformaram em dialetos.

4
  • 1
    Ainda não se pode, a não ser que um dos pais seja estrangeiro. Podes ver a lista aqui. Não é como vais da premissa (falsa) de sermos os donos da língua para aí. De resto, podíamos dar argumentos em sentido contrário, como uma menor tendência a aportuguesar estrangeirismos e deixá-los na forma original, o que faz com que em dados círculos cada frase tenha 2 palavras pronunciadas à inglesa. – Artefacto Dec 10 '15 at 0:06
  • @Artefacto Acho que a expressão "donos da língua" foi mal compreendida. Não houve nenhum tom de sarcasmo: os portugueses realmente são os donos da língua no sentido que todos os outros povos que a falam tomaram-na emprestada. Os ingleses e os franceses também são donos da língua falada por americanos, canadianos etc. – Centaurus Dec 10 '15 at 0:11
  • @Artefacto Interessante a lista. Encontrei, no entanto, alguns nomes tipicamente estrangeiros que são permitidos: Astrid, Barac, Brian, Elton, Franklin, etc. – Centaurus Dec 10 '15 at 0:42
  • Muito estranho. Creio que o que a legislação diz é que nomes estrangeiros são permitidos, desde que adaptados às regras ortográficas da língua, o que não o caso desses nomes. – Artefacto Dec 10 '15 at 8:48

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.