7

Abundam no português os encontros consonantais inseparáveis bl, cl, fl, etc., como em:

blindar, clima, flor, glaciar, pluma, tlim-tlão.

Depois há uns que parecem não existir: dl, jl, ml, nl, rl, vl, xl, zl. Muitos destes, imagino que não existam porque seriam difíceis de pronunciar. Aliás, também me parecem não existirem no inglês e francês. Mas dl nem me parece difícil, e existe no inglês. E depois há o sl, que não existia no português, mas que se pronuncia tão bem que até entrou recentemente sob a forma de palavras estrangeiras importadas:

Slalom, slide, slip, slogan.

Mesmo o vl parece-me fácil de pronunciar, e já há por aí criançada com o nome Vladimir.

A inexistência no passado destes encontros consonantais terá sido mero acidente histórico? Ou há uma razão inteligível para a sua inexistência, especialmente do dl, sl e vl, no português?

5
  • Quais palavras francesas? E esses pares existiam no latim?
    – Artefacto
    Dec 8 '15 at 18:49
  • @Artefacto: "Palavras francesas"?! Não sei se existiam no latim. Mas mesmo que não tenham existido, tenho esperança que exista explicação melhor para não existirem no português. Isto é capaz de obedecer a umas regularidades fonéticas quaisquer.
    – Jacinto
    Dec 8 '15 at 19:05
  • Ooops, não li o não,
    – Artefacto
    Dec 8 '15 at 20:56
  • Acho que jl existe em palavras como deslizar.
    – Dan Getz
    Jan 30 '16 at 20:50
  • 1
    @DanGetz Existe mas é separável: des-li-ar; a contrário, por exemplo, de de-cli-nar, em que o cl não pode ser separado.
    – Jacinto
    Jan 31 '16 at 12:48
4

Apesar da abundância dos encontros consonantais com ⟨l⟩ no português, para mim o vocabulário do português é marcado por certas faltas deles que se transformaram em ch: chamar (/kl/), chama (de fogo; /fl/), chorar (/pl/), chumbo (/pl/), cheio (/pl/), chão (/pl/), chuva (/pl/), etc. Mas isto aconteceu antigamente e não representa nenhum proibição agora.

Acho que o que seria difícil para pronunciar tem muito a ver com a experiência de cada pessoa. Eu por exemplo acho encontros consonantais como /dl/, /tl/, /dv/, e /ʃks/ (sem falar do [dʃpg]) difíceis de pronunciar, talvez porque não existem na minha língua materna, o inglês. (Por exemplo, bed-lam e ad-vise são divididos.) Mas sei que outras pessoas têm menos dificuldade com eles.

Me parece que /dl/, /sl/, e /vl/ não aparecem no português principalmente devido à sua falta no latim, fonte da maioria das palavras portuguesas.

De acordo com Phonology: Critical Concepts in Linguistics, Volume 4 (p 281), no latim existiam só /pl/, /kl/, /bl/, /gl/ e /fl/. Aqui não aparecem /dl/, /sl/, /vl/, nem /tl/. (Por exemplo, atleta /a-tlɛ-tɐ/ vem do athleta /atʰ-le-ta/.) A falta de /tl/, /dl/, /sl/, e /sr/, e a presença de /tr/ e /dr/, é considerado por os autores "sem dúvida 'sistemática' em vez de 'acidental'" e é explicado com uma regra (tradução minha):

Num encontro obstruente-ressoante, a ressoante tem de ser uma líquida; mais ainda, se a obstruente for dental, ela tem de ser oclusiva e a líquida tem de ser /r/.

Em termos do /vl/, é importante lembrar que no latim clássico não havia /v/. A letra ⟨u⟩ podia ser /u/ ou /w/. Acho /wl-/ muito difícil de pronunciar. Não existe no português moderno, e não segue o "Sonority Sequencing Principle", porque as semivogais (como /w/) são mais sonorosas que as líquidas (como /l/).


Encontrei outra análise em The Phonology of Portuguese (p 41–42). Aqui se fala do "Dissimilarity Condition" que torna difícil no português encontrar uma fricativa antes de /r/ ou /l/. Isto quer dizer que uma língua prefere ter bastante diferença em termos de sonoridade entre os consoantes num encontro consonantal, e que fricativas e líquidas não têm o bastante para o português. A evidência é a inexistência, na maioria das palavras portuguesas, de /sr/, /zr/, /ʃr/, /ʒr/, /vl/, /sl/, /zl/, /ʃl/ e /ʒl/, e a suposta raridade de /fr/, /fl/ e /vr/.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.