9

Acredito que, se correto, seu uso na língua falada seja muito raro. Além do mais, existem formas mais simples de se dizer o mesmo: "apresentaram-te a nós", "tu foste apresentada a nós", etc. Caso seja realmente gramatical, me parece um verbo muito sobrecarregado de pronomes oblíquos e soa muito estranho aos meus ouvidos. É correta essa formação?

  • C'um caráter, eu diria que não, pela resposta do Artefacto a esta outra pergunta. – Jacinto Dec 5 '15 at 16:41
  • @Jacinto O que seria "C'um caráter"? Confesso que não existe por aqui. – Centaurus Dec 5 '15 at 17:08
  • É um expletivo (não acrescenta significado) eufemístico no meu idioleto. "C'um" é "com um". – Jacinto Dec 5 '15 at 17:11
  • Correção abaixo de 6 caracteres: tu foste (ou vós fostes) – ANeves Dec 6 '15 at 22:00
9

Não. Como mencionei nestoutra resposta, não é possível usar simultaneamente dois clíticos que não têm formas distintas para o acusativo e para o dativo (i.e. clíticos da 1ª e 2ª pessoas).

Segundo a Gramática do Português da Gulbenkian (vol. II, p. 2236):

Os pronomes de primeira e segunda pessoa, que não apresentam formas morfofonologicamente distintas para o acusativo e o dativo, não podem formar entre si grupos clíticos. Por isso, a sua coocorrência numa mesma oração não é permitida. Assim, a partir de entreguei-me completamente a ti não é possível obter *entreguei-me-te completamente, com o clítico te (dativo) substituindo a forma pronominal forte ti, complemento da proposição a. O mesmo se pode dizer de *entregámo-nos-vos, a partir de entregámo-nos a vocês, e de outros casos semelhantes.

Se houver uma perífrase verbal, poderá ser possível fazer subir um dos clíticos e assim permitir a sua coexistência. Por exemplo:

Eles ainda nos hão de apresentar-te.

Esta impossibilidade parece não ter existido no passado. Diz Evanildo Bechara na sua gramática:

Nas demais combinações [de pronomes átonos], o português moderno prefere substituir o pronome átono objetivo indireto pela forma tônica equivalente, precedida da preposição a.

Enquanto dizemos hoje a mim te mostras ou te mostras a mim, a língua de outros tempos consentia em tais dizeres:

“Porque assi te me mostras odiosa?” [JCR.1 apud SS.1, § 271].

onde JCR.1 se refere a Naufrágio de Sepúlveda de Jeronymo Corte-Real (1598).

  • 1
    Eles adiantam alguma razão para a impossibilidade? Por exemplo, não se saber qual é o acusativo e qual é dativo? – Jacinto Dec 6 '15 at 19:35
  • @Jacinto Não. Essa é uma explicação possível, mas não cobre a impossibilidade de se-o (e.g. *mandou-se-o embora, só possível nalguns dialetos). – Artefacto Dec 6 '15 at 20:17
  • Também não estava muito convencido dessa razão. Seria possível convencionar uma ordem. Lembrei-me que no inglês também se diz give me the book mas não *give me it. Poderá em ambos os casos uma questão de não soar bem. – Jacinto Dec 6 '15 at 20:25
  • @Jacinto "give me it" está correto no inglês. Acho que a razão pode originar numa ordenantiga dos pronomes oblíquos. No espanhol por exemplo, seja a sua função, o te sempre vai antes do me : te me acerco e te me acercas. Se o verbo não é reflexivo há ambiguedade total. Então pode que no desenvolvido do português os falantes rechazassem a combinação. – guifa Mar 30 '16 at 3:43
  • @guifa Sim, descobri aqui que give me it é comum nalguns dialetos. O Ngram mostra-o com um frequência de 1% de give it to me; na realidade é menos ainda, porque a maioria das ocorrências são falsos positivos (e.g. the gift he as kind to give me. It is...) – Jacinto Mar 30 '16 at 8:53

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.