8

Esquisito, exquisite (inglês), exquis (francês) e exquisito (espanhol) derivam todos do latim exquisitus, que significa rebuscado, procurado, escolhido. Mas enquanto em português esquisito é usado (quase?) só pejorativamente, os cognatos nas outras três línguas mantiveram significados extremamente apreciativos, mais próximos do significado original no latim:

Espanhol exquisito. De singular y extraordinaria calidad, primor o gusto en su especie.

Francês exquis. Qui est recherché, choisi parmi ce qu'il y a de plus délicat pour le goût. Etc.. (Que é procurado, escolhido entre o que existe de mais delicado para o gosto.)

Inglês exquisite. Extremely beautiful and very delicately made. Etc.. (Extremamente belo e feito muito primorosamente.)

Nos dicionários, estes significados também são atribuídos ao português esquisito, mas estão a meu ver obsoletos. Esquisito, pelo menos na minha experiência, é usado só pejorativamente, com o significado de estranho, extravagante, difícil de compreender, ou (acerca de uma pessoa) que não gosta de quase nada.

Não difícil imaginar vias possíveis para a evolução dos significados, mas como e quando é que se deu essa evolução? Quando é que os significados originais de esquisito caíram em desuso, e os novos apareceram?

  • My experience with "esquisito" in ptBR is that it has no pejorative connotation most of the time. Let's see some examples 1. O tempo está meio esquisito hoje. (The weather looks strange, we can't tell what it is going to be like) 2. Ele é um cara muito esquisito (he is a most peculiar guy) 3. Isso tudo está muito esquisito (All this looks very odd) 4. Que cheiro esquisito (what a strange odor) "Esquisito", but right now I can't think of a single sentence where "esquisito" has a pejorative connotation. – Centaurus Dec 3 '15 at 0:05
  • It is just possible that this is one more transatlantic difference between us. Maybe, with the right intonation, a sentence like "você é muito esquisitão" or "Teu amigo é um cara muito esquisito", might convey it. – Centaurus Dec 3 '15 at 0:05
  • 1
    Em todos os teu exemplos, "esquisito" tem um sabor algo pejorativo para mim. Nestes ainda mais: "este vinho tem um sabor esquisito," "sinto-me esquisito hoje." No artigo citado pela Carla, lê-se: "Em nenhum lugar o sentido [de esquisito] é pejorativo, o que nos faz pensar que isso é peculiaridade exclusivamente do português." O artigo é brasileiro, portanto parece que também há no Brasil quem ache que equisito tem conotação pejorativa. – Jacinto Dec 3 '15 at 8:23
  • @Centaurus: a minha citação do artigo da Carla ficou um bocado esquisita. "Em nenhum lugar" refere-se a nenhum lugar na obra de autores romanos. – Jacinto Dec 3 '15 at 8:34
  • @Centaurus nessas frases, eu entendo "esquisito" como negativo, à semelhança do Jacinto. "Estranho" eu entenderia mais neutralmente, se bem que uma vez me meti em sarilhos por dizer que a comida que alguém cozinhou para mim tinha "um sabor estranho..." que emendei rapidamente (mas não rapidamente que chegue) para "bom mas desconhecido!!" – ANeves Dec 4 '15 at 11:06
7

É possível encontrar uma descrição mais ou menos detalhada da 'trajetória' da palavra 'esquisito' neste excelente artigo do professor Mário Eduardo Viaro.

Em resumo, a mudança ocorreu na segunda metade do século XIX, embora antes também seja possível encontrar uma ou outra referência a uma diferente acepção. Um exemplo, listado adiante, mostra o uso de ironia para dar significado diferente à palavra, deixando um indicativo de que a ironia possa ter sido um dos mecanismos da mudança semântica.

Percurso da ironia

Consultando o Corpus do Portu­guês,de Mark Davies e Michael J. Ferreira (http://www.corpusdoportugues.com), observa-se que de fato é a segunda metade do século XIX a responsável pela mudança: o novo valor da palavra ocorre já em Machado de Assis (1839-1908), Júlio Dinis (1839-1871), Camilo Castelo Branco (1821-1890), Ramalho Ortigão (1836-1915), embora tenha certa resistência, por exemplo, em Rebelo da Silva (1822-1871) e Júlio Ribeiro (1845-1890). Artur Azevedo (1855-1905), contudo, oscila entre os dois usos.

Contrariamente a essa descoberta, verifica-se que um uso irônico da palavra aparece na correspondência da Marquesa d´Alorna (1750-1839), já em 1809:

“Não foi mais possível ver Dom D. Rodrigo nem falar-lhe, nem respondeu a cartas, nem deu passaportes, nem concluiu nada. Método esquisito de tratar negócios de tanta importância, pois entre gente tão distinta e tão importante, uma decisão, uma resposta favorável ou negativa, poupa tempo, danos e ruínas de fazenda, honra e vida”.

Esse trecho é interessante (aparentemente aí significa apenas “excelente”), pois a ironia é um dos maiores mecanismos de mudança semântica. Eis aí o passo crucial da transformação. Muitas palavras cultas tornam-se populares, pelos mais diversos motivos, mas essa transição nem sempre é tranqüila: uma reviravolta no sentido é importante e comum.

  • 1
    Muito interessante. Eu só perguntava quando é que o significado mudou, mas afinal o como é que mudou é mais complexo do que eu imaginara. Editei a pergunta para incluir isso também. – Jacinto Dec 3 '15 at 7:52

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.