9

Para que não haja dúvidas, ele não é médico mas propõe-se ir dar uns conselhos a um amigo doente. Portanto a pergunta do exemplo é retórica. Quanto à pontuação, vejo três possibilidades:

(a) Mas tu és médico, para ires lá dar palpites?

(b) Mas tu és médico para ires lá dar palpites?

(c) Mas tu és médico? Para ires lá dar palpites?

Incluí a (c) só para ser exaustivo: dá ideia que o locutor não tencionava dizer "para ires lá dar palpites," e depois, num afterthought, resolveu dizê-lo. Mas entre (a) e (b), qual é a forma correta? Ou são as duas?

E qual é a classificação das orações? Dá-me ideia que a primeira é principal, e a segunda, subordinada (a primeira pode viver sem a segunda). Mas subordinada de que tipo? A frase parece-me semanticamente mais ou menos equivalente a:

Mas tu és médico, que possas lá ir dar palpites?

A segunda oração desta última frase parece-me um subordinada adjetiva explicativa. Se for assim, poderíamos classificar também assim a frase original (e argumentar assim que tem que levar vírgula)?

Já existem duas perguntas e respostas sobre a separação ou não de orações por vírgula, que poderão ajudar a responder à presente questão: vírgulas em orações subordinadas finais, causais e temporais e esta outra sobre vírgulas e orações subordinadas substantivas.

  • Eu não usaria a "b" – Centaurus Nov 17 '15 at 17:33
  • Parece-me que esta questão se poderá reduzir à de Vírgulas em orações subordinadas causais, finais e temporais. – Américo Tavares Nov 17 '15 at 20:15
  • É possível que sim. Mas teremos primeiro que decidir que tipo de orações constituem a frase, que é uma das coisas que eu pergunto. – Jacinto Nov 17 '15 at 20:57
  • @AméricoTavares Na verdade, não me parece que se reduza. Não me parece que o para introduza neste caso uma oração final. Aliás, eu inclino-me mais para a versão com vírgula aqui; ao contrário do que aconteceria se a oração fosse subordinada final. – Jacinto Nov 17 '15 at 21:40
  • 2
    Pois, é essa a minha pergunta. – Jacinto Nov 18 '15 at 7:32
2

A resposta é a letra b).

A finalidade da vírgula é organizar a frase de forma que não haja duplo sentido. Dessa forma, quando um termo é deslocado de sua ordem direta, ela deve ser utilizada.

Na forma mais simples, podemos dizer que a ordem direta é formada por sujeito (quem) + predicado (o quê). O predicado pode ser mais complexo e formado por outros termos (verbos, complemento nominal, complemento verbal, adjunto adverbial)

Veja os exemplos abaixo.

  • Ordem direta:

Ricardo comeu a sobremesa depois do almoço.

  • Ordem inversa

Depois do almoço, Ricardo comeu a sobremesa.

Aqui, o adjunto adverbial de tempo foi deslocado para o início da frase e, obrigatoriamente, de ser separado por vírgula.

Em frases contendo mais de uma oração, ou seja, mais de um verbo, a vírgula é utilizada para separar as orações. Exemplo:

Fui à igreja ontem, mas não rezei.

Veja mais sobre o assunto aqui

Entretanto, no exemplo dado:

Mas tu és médico para ires lá dar palpites?

O termo "mas" não exerce papel adversativo, mas sim aditivo (poderia ser substituído por "E"). A frase está em ordem direta, sem motivos para que haja vírgula.

Edição Sim, são duas orações. Mas, a segunda ("para ires lá dar palpites") é uma subordinada adverbial final e, por exercer papel de advérbio, só deve ser separada por vírgula quando deslocada de sua ordem direto.

  • Carlos, o problema é mais complexo. A minha frase tem duas orações. Há casos em que duas orações são separadas por vírgula: resolvi ficar em casa, pois estava a chover vê aqui discussão deste tipo de frases. Noutros casos, não pode haver vírgula entre as orações: peço-te que reconsideres a tua resposta vê aqui mais exemplos deste tipo – Jacinto Apr 25 '16 at 19:06
  • Tem razão, Jacinto. Editei a resposta. – Carlos Cariello Apr 26 '16 at 20:19
  • Carlos, a possibilidade da segunda oração ser adverbial final foi discutida nos comentários à pergunta (vê lá em cima). Eu estou um bocado cético (a finalidade de ele ser médico é ir dar palpites!?), mas não chegámos a conclusão nenhuma. – Jacinto Apr 26 '16 at 21:16
  • Por analogia, não vejo nenhum outro tipo mais indicado. Veja o link: pt.wikibooks.org/wiki/Portugu%C3%AAs/Per%C3%ADodo_composto/… – Carlos Cariello Apr 29 '16 at 20:25
  • Editei a pergunta com uma sugestão. – Jacinto May 23 '16 at 19:53
0

A forma correcta é a b), no sentido da frase-chave.

Esta frase, como tantas outras é uma frase-chave (chavão). A frase é utilizada normalmente quando uma 3ª parte se intromete numa conversa alheia. Não necessariamente com "médico" (Outras Formas são Mestre, Doutor e Engenheiro) nem palpites (Bitaites). Usa-se também noutras circunstancias bastante específicas (Mas tu és cão para lá ir roer o osso? - Normalmente utilizado quando um homem tenta aproximar-se a uma mulher com segundas intenções). É uma frase feita.

(a) Mas tu és médico, para ires lá dar palpites?

Significaria que a pessoa é de facto médica, que não é verdade. A pausa, ou virgula, denota essa influência.

(c) Mas tu és médico? Para ires lá dar palpites

Não é incomum utilizar uma forma semelhante. Porém neste caso, a frase conota uma pergunta genuina, que não é o objectivo. Uma alternativa utilizando interogações seria "Mas tu por acaso és Médico? Para estares aí a dar palpites!", ou alternativamente, "Mas desde quando é que és Médico?". O Sarcasmo e a Ironia é a chave para estas expressões.

A opção B seria a mais correcta, dentro destas opções. Aqui fica uma lista de alternativas mais comuns:

Mas tu és médico para "tares" aí a mandar palpites?

Mas tu és Médico? É que estás aí a dar palpites.

Olha-me este com a mania que é Médico, anda aí a mandar palpites.

  • Eu concordo com a explicação! Pelo menos a b) é a mais comum no Brasil. – Gabriel Anderson Mar 21 '16 at 1:57
-3

Eu iria para a a), a virgula obriga a fazer a pausa que assenta de forma bastante subtil no processo de dicção.

  • 2
    Oops, parece que o pessoal não gostou da tua resposta. Até é bem possível que eu esteja de acordo com a tua ideia, mas não tenho a certeza. Seria bom que a explicasses melhor. Por exemplo, por que é que a pausa na dicção é necessária? Que diferença faria se não houvesse pausa? Vejo que acabaste de chegar ao site. Valerá a pena dares por aí uma vista de olhos para ver o nível das respostas. Em geral espera-se uma resposta mais bem fundamentada do que a tua está presentemente. – Jacinto Nov 19 '15 at 19:36

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.