7

Estou estudando por conta própria e sempre vejo a definição de fonema como "a menor unidade sonora distintiva". Por que não única? Se ao trocar um fonema gera distinção entre as palavras, deve-se à unicidade do fonema trocado, certo?

  • 4
    Não sei se isto responderá à tua questão, mas lá vai. Dirias também que a sílaba é única? Se eu pegar em gato e trocar ro por ga gera outra palavra distinta: roto. Mas a sílaba não é a menor unidade. Se eu trocar só o r, que é uma unidade menor que a sílaba, por g também gero uma palavra distinta: rato. Portanto, ser único não chega para definir um fonema. Eu achei as respostas a esta pergunta, em especial a do evpok, muito úteis para perceber o que é um fonema. – Jacinto Oct 18 '15 at 16:18
  • @Anderson: Vejo que és novo no site. Boas vindas (ainda que atrasadas). Não sei se o meu comentário acima respondeu à tua dúvida? Se quiseres deixar feedback, é só clicar no "Add comment abaixo" e dizeres de tua justiça. – Jacinto Oct 18 '15 at 17:31
  • @Jacinto, obrigado pela resposta. Ajudou a me direcionar para a solução. Sim, sou novo aqui, conheci esse site hoje. Não sabia que havia uma parte dedicada somente para linguística. Caso tenha postado na parte errada, desculpe. E sim, seu comentário foi útil e do evpok também. Se eu entendi correto, basicamente não podemos considerar única pois existem variações na pronúncia que representam o mesmo fonema (como ele usou no exemplo do ring). Obrigado pela ajuda! :) – Anderberserk Oct 18 '15 at 17:58
  • @Anderbeserk A pergunta é perfeitamente apropriada para o SE.Portuguese Language. O que não te impede de a colocar no Linguistics também (mas é melhor antes ver se já lá há perguntas semelhantes com respostas que te satisfaçam), Eu não conheço o Linguistics. Fui lá parar através desta pergunta. – Jacinto Oct 18 '15 at 18:16
  • 1
    @Jacinto Desculpa a demora, vi e ficou bem melhor assim. A forma antiga não estava muito clara. – Anderberserk Nov 29 '15 at 21:18
7

O fonema é a menor unidade sonora distintiva. Esta definição envolve uma porção de coisas. Portanto vamos por partes.

Primeiro, um fonema é uma unidade sonora e não uma letra. Por exemplo a letra o corresponde ao fonema /ɔ/ em foca e ao fonema /u/ em comer. O fonema /u/ é realizado pela letra o em comer e pela letra u em fruta. O x é uma letra de uma promiscuidade atroz: realiza o fonema /ʃ/ em baixo, /s/ em ximo, /z/ em exato e os dois fonemas /ks/ juntos em fixo. O fonema /s/ não lhe fica atrás: é realizado pela letra s em cansado por um s duplo em massa, por x em ximo e por ç em caça.

Segundo, qualquer fonema é distinto de todos os outros. Portanto se numa palavra substituirmos um fonema por outro, obteremos uma palavra diferente da primeira. Por exemplo, a palavra gato é constituída por quatro fonemas: /g/, /a/, /t/ e /u/. Se substituirmos o fonema /g/ pelo fonema /p/ obtemos uma palavra diferente: /patu/, escrita pato.

Então porque não dizemos pura e simplesmente que o fonema é um som único? Porque não é. Vejamos o exemplo da palavra gago. No português brasileiro ambos os guês têm o mesmo som: [g]. Mas no português europeu têm sons diferentes: o primeiro é igual ao do Brasil, mas o segundo é mais suave, representando-se por [ɣ]. Cada um destes sons, [g] e [ɣ], é único. A sons únicos chamamos fones (e representamo-los entre parenteses retos, [ ], enquanto os fonemas são representados entre barras, //).

Ora o que acontece é que o falante nativo do português, a menos que esteja muito atento a estes fenómeno, nem sequer se apercebe da diferença entre [g] e [ɣ]. Ou seja, estes dois fones não são distintivos: se numa palavra substituirmos o fone [g] pelo [ɣ] ou vice-versa, continuamos a ter a mesma palavra. Por isso estes dois fones fazem parte do mesmo fonema, que representamos por /g/. Aos fones que fazem parte de um mesmo fonema chamamos alofones. Portanto um fonema pode não corresponder a um fone único, tal como o /g/ que compreende dois alofones.

No português brasileiro um fonema que compreende vários alofones é o /ʀ/, como em melro, que tem sons ligeiramente diferentes consoante a região do país. Mas passa-se o mesmo que como o /g/ e o [ɣ]: se numa palavra, apenas se substituir um dos alofones do /ʀ/ por outro alofone do /ʀ/, o falante nativo do português, mesmo que note alguma diferença vai continuar a entender a mesma palavra.

Por isso, os fones são unidades sonoras únicas e menores que o fonema (porque alguns fonemas incluem vários fones). Mas os fones de um mesmo fonema não são distintivos. Logo o fonema é a menor unidade sonora distintiva. Se dois ou mais fones fazem parte do mesmo fonema ou de fonemas diferentes pode variar língua para língua. Por exemplo, os sons [t] como em gato e [d] como em gado são distintos no português, logo correspondem a fonemas diferentes: /t/ e /d/. Mas aos ouvidos dos coreanos estes sons são iguais, na língua coreana são alofones do mesmo fonema. Existe uma palavra coreana com o som [tada]: portugueses e brasileiros distinguiriam os dois sons consoantes, mas os coreanos não os distinguem.

Isto foi apenas a introdução ao fonema que eu fui capaz de fazer. Mas isto é um mundo. Quem quiser aprofundar, possíveis pontos de partidas poderão ser os artigos na Wikipédia sobre o fonema ou sobre fonologia da língua portuguesa.

| improve this answer | |

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.