8

O latim permitia uma ordem muito flexível na construção das orações. Algumas das línguas latinas como o francês perdeu essa flexibilidade e outras como o espanhol em maior parte a conservou, permitindo todo tipo de ordens.

A ordem normal no português é sujeito-verbo, mas tenho notado que o português às vezes (mas não tanto quanto as suas línguas irmãs que falo) permite uma ordem invertida de verbo-sujeito, mas não percebo quando devo ou posso inverter a ordem e quando mantê-la.

Já que sempre é mais fácil com um exemplo, numa composição que eu escrevi para uma aula, tive «Esse dia mesmo, depois dela se afastar, saiu o rapaz para o campo…». O professor corregiu-me essa parte em itálico para «o rapaz saiu».

Não obstante, só olhando a primeira página do livro O mulato, achei vários exemplos desta inversão e não entendo porque o meu uso é incorreto, mas o de Aluísio Azevedo é considerado correto:

  • De um casebre miserável, de porta e janela, oiviam-se gemer os armadores enferrujados…
  • De uma gaiola, dependurada entre as janelas desse lado, chilreava um sabiá.
  • Fazia preguiça estar ali.
  • E, quando chegava a ocasião de ceder a fazenda…

Pergunto quais situações é normal/possível/proibida a inversão de sujeito e verbo? Por que a minha frase é errada e as de Azevedo não são?

  • 1
    Não sei os motivos de seu professor, mas não há nada de errado nessa inversão. O uso de "saiu o rapaz" é muito comum no meio literário (mas não é exclusivo). – Yuuza Oct 8 '15 at 3:57
  • @guifa: Estou curioso em saber se a minha previsão está correta. O gemido dos armadores e chilrear do sabiá são apenas parte do ambiente e não da ação principal? – Jacinto Oct 16 '15 at 20:30
  • pretérito imperfeito usado na construção de frase de Aluisio Azevedo enquanto você utilizou o normal. O correto seria: Esse dia mesmo, depois dela se afastar, saía o rapaz para o campo. Corrija-me se estiver errado. – user2866 Feb 21 '18 at 22:04
  • O francês faz inversão de outro tipo. – Lambie Feb 22 '18 at 22:54
4

A tua frase não está errada, mas é provável que a ordem ‘normal’ sujeito-verbo seja aí mais natural. Só poderia dar uma opinião mais inequívoca se visse a frase completa.

Vou limitar-me a analisar os exemplos do Aluísio Azevedo, tentar encontrar padrões, para no fim discutir a tua frase. Este assunto daria pano para mangas, e eu não conseguiria compor aqui um guia minimamente completo da ordem verbo-sujeito. E noutro lado, provavelmente também não.

No primeiro exemplo do autor,

De um casebre miserável, de porta e janela, (1) ouviam-se gemer os armadores enferrujados…

temos dois verbos antes de armadores. Para os estudar separadamente, consideremos primeiro esta frase equivalente (mas menos bem-sonante):

De um casebre miserável, de porta e janela, (1a) ouviam-se os armadores enferrujados gemer

A frase (1a) está na voz passiva sintética, e aí a norma é a ordem verbo-sujeito paciente, ouviam-se os armadores. Até porque os armadores ouviam-se gemer confunde-se com a voz ativa: os armadores ouviam-se a si mesmos. Na voz ativa a frase seria alguém ouvia os armadores enferrujados gemer (sujeito agente-verbo) e na passiva analítica seria os armadores enferrujados eram ouvidos gemendo/a gemer (neste caso a sintética soa muito melhor que a analítica). Na voz passiva analítica é mais comum a ordem sujeito paciente-verbo, embora a inversa seja possível (todas as vítimas foram socorridas/foram socorridas todas as vítimas)

Agora, a diferença entre (1a) ouviam-se os armadores gemer e (1) ouviam-se gemer os armadores. O primeiro elemento ganha ênfase. Em (1a) estamos mais interessados nos armadores, por que razão estarão eles a gemer; em (1) estamos mais interessados no gemer em si, e na maneira como o gemer contribui para a atmosfera geral. Isso passa-se também na voz ativa, como no segundo exemplo, chilreava um sabiá. Não conheço O Mulato, mas diria que o autor está a descrever o ambiente: o foco está mais no chilrear e gemer que se ouve do que no agente que chilreia ou que geme. Do mesmo modo, eu poderia dizer ao descrever um ambiente:

(a) Da minha janela eu via passar os carros, brincar os miúdos, cair a chuva, cumprimentarem-se os amigos.
(b) Na praça era uma alegria: corria a garotada, namoriscavam os adolescentes, conversavam os mais velhos.

Esta inversão da ordem mais normal é frequentemente usada para ‘montar a cena’ para a ação principal:

(c) Estava eu mergulhado nos meus pensamentos, quando de repente ele me apareceu à frente. (d) Ia o João muito bem a caminho da escola, e cai-lhe um pombo morto em cima da cabeça.

Em (d) há uma segunda inversão. O verbo cair ganha ênfase ao ser adiantado: nós não queremos saber do pombo morto; a queda dele na cabeça do João é que é importante. Outros exemplos de inversão em que identidade do sujeito não é importante:

(e) Foi cá um temporal: tombaram duas árvores na minha rua e voaram muitas telhas com a ventania.
(f) Deram à costa vários destroços do navio naufragado. Sobreviveram apenas cinco pessoas.

No terceiro exemplo, faz preguiça estar aqui, o núcleo do sujeito é um verbo, estar. A inversão soa muito bem com este tipo de sujeitos:

(g) Fazia dó ver tanta miséria. Custou-me muito aguentar aquilo.
(h) Não é assim tão caro fazer uma alimentação saudável.

No último exemplo, e, quando chegava a ocasião de ceder a fazenda, mais uma vez está-se a ‘montar a cena’ para a ação principal. Mas há ainda outra coisa: verbos qeu indicam aparecimento e desaparecimento parecem prestar-se particularmente à inversão, mesmo quando descrevem a ação principal, como de (l) a (n):

(i) Quando chegavam os meus primos, então é que era uma festa.
(j) Quando começaram a cair os primeiros flocos de neve, a garotada veio toda para a rua.
(k) Quando apareceram os primeiros computadores pessoais, ninguém imaginou a revolução que iria acontecer.
(l) Desapareceu de casa dos seus pais Fulano de 17 anos de idade etc. (Forma padrão de publicitar o desaparecimento de uma pessoa em Portugal.)
(m)Apareceu-me uma mancha no pescoço.
(n) Chegaram os teus primos agora mesmo.

Só depois de elaborar esta teoriazita da inversão da ordem normal sujeito-verbo é que consegui completar a tua frase, com saiu o rapaz, satisfatoriamente. Portanto, como o verbo ganha ênfase em detrimento do sujeito ao ser puxado para a frente, temos que encontrar um contexto em que isso se justifique. Portanto aqui ficam duas frases, uma em que o rapaz saiu se impõe, outra em que saiu o rapaz soa bem.

(o) Nesse mesmo dia, depois de ela se afastar, o rapaz saiu para campo e só regressou a casa um semana mais tarde.

(p) Nesse mesmo dia, depois de ela se afastar, saiu o rapaz para campo, e foi logo de seguida que os ladrões entraram em casa.

3

Esse dia mesmo, depois dela se afastar, saiu o rapaz para o campo…

O único erro de facto nesta frase é contrair "de" com "ela" em "dela". A contração não se faz quando há um sujeito em jogo: "Eu cheguei depois dela", mas "Eu cheguei depois de ela já lá ter estado três horas". Também é bem melhor dizer "esse mesmo dia" em lugar de "esse dia mesmo":

Esse mesmo dia, depois de ela se afastar, saiu o rapaz para o campo…

Mas voltando ao tópico. Tenderia a concordar aqui com o teu professor. Talvez excluindo contextos em que a inversão é normal (e.g. perguntas, especialmente na escrita na variedade europeia, ou condicionais sem "se"), adiantar o verbo dá-lhe mais ênfase na frase. A tua frase não soa muito bem, creio eu, porque o foco dado a "sair" é despropositado -- a frase está simplesmente a descrever uma sequência de eventos, o que favorece a ordem normal.

A seguinte já é perfeitamente normal:

Esse mesmo dia, lá sairia o rapaz para o campo.

Mas mesmo omitindo o "lá" (que ainda coloca mais o foco da frase em "sair", por oposição ao mero facto "o rapaz sair"; outros advérbios também serviriam como "imediamente"), a frase ainda soaria bem porque remover "depois de ela se afastar" tira-lhe algo do carácter meramente narrativo. Comparando:

Esse mesmo dia, o rapaz sairia para o campo.
Esse mesmo dia, sairia o rapaz para o campo.

O significado é muito semelhante, mas a primeira, a ordem normal, apresenta o facto sem mais, enquanto a segunda é mais expressiva.

Creio que também se pode dar um argumento estrutural. É talvez mais fácil fazer uma inversão se já tiver havido outra antes (o que não é o caso na tua frase):

Não fora ela afastar-se e fugiria o rapaz para o campo.
Se ela não se afastasse, fugiria o rapaz para o campo.

A primeira soa melhor.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.