3

Qual é a oração mais gramaticalmente correta das duas citadas abaixo?

"Tem erros de logística que 10 anos atrás seria inconcebível um gestor cometer."

(Penso que aqui o sujeito é oculto, ato de cometer um erro, e, portando, seria deve concordar com ele, ficando no singular).

"Tem erros de logística que 10 anos atrás seriam inconcebíveis um gestor cometer."

(Aqui o sujeito é erros, portanto deve-se usar seriam).

Quem/o que seria (seriam) inconcebível (inconcebíveis)?

Essa escolha é trivial?

3
  • 1
    Essa é uma sintaxe bem... bem complicada.
    – Quaestoria
    Commented Jun 8 at 19:19
  • "erros" não é o sujeito de nenhuma das frases.
    – Lambie
    Commented Jun 10 at 13:19
  • Embora a resposta com mais votos diga o contrário, o verbo no plural não é correto. Vê a resposta de Artefacto, e para uma análisa sintática completa a minha.
    – Quaestoria
    Commented Jun 12 at 12:09

4 Answers 4

2

Identificação do sujeito da frase.

O verbo ter como impessoal (tem) ou um verbo com sujeito oculto:

A pergunta vai sobre o sujeito da frase e o termo erros de logística que é complemento.

Os verbos ter e haver se usam em um modo impessoal:

Uso impessoal do verbo ter
Flávia Neves Flávia Neves Professora de Português Em linguagem informal, o verbo ter pode ser utilizado como um verbo impessoal, sendo conjugado apenas na 3.ª pessoa do singular. Isso ocorre quando é usado com o sentido de ter existência, sendo sinônimo de haver:

Há pessoas na entrada esperando por você. Tem pessoas na entrada esperando por você.

uso impessoal do verbo ter

Então na frase: Tem erros de logística que 10 anos atrás seriam inconcebíveis um gestor cometer.
Tem pode se lê como: ou tem no sentido de existe, uso do tem como impessoal. Na leitura como tem, o funciona como verbo impessoal.

Se tem se lê como ele tem, o sujeito é oculto sim:

Pois bem, ou a frase não tem sujeito (há ou tem), ou tem sujeito oculto: (ele) tem.

Independemente de tudo isso, nenhuma dessas interpretações de "tem" afeta o fato que erros de logística é um complemento do verbo ter, e não o sujeito da frase. E são os erros de logística que seriam inconcebíveis um gestor cometer. A concordância entre erros, o verbo ser e o ajetivo inconcebível agora parece mais óbvia...

Conclusão: erros de logística=sujeito, verbo: seriam, o plural.

6
  • Se "erros" concorda com o verbo 'ser', qual é a função sintática de "um gestor cometer"? O sujeito do verbo 'ter' é completamente irrelevante para a pergunta, que é a concordância do verbo 'ser'.
    – Quaestoria
    Commented Jun 11 at 10:39
  • @Quaestoria Isso não faz parte da pergunta. Ele perguntou: Dúvida sobre identificação do sujeito numa construção específica Ele pensa que o sujeito da frase é erros. Mas não é. E é no caso: os erros de logística que seriam inconcebíveis um gestor cometer. Todo o problema vem desse "desentendimento".
    – Lambie
    Commented Jun 11 at 18:34
  • Isso é exatamente a questão da pergunta. "Tem erros de logística que" e "os erros de logística que" não possuem diferença qualquer sobre a classificação sintática dos sintagmas que procedem.
    – Quaestoria
    Commented Jun 11 at 20:10
  • "Dúvida sobre identificação do sujeito numa construção específica" e também diz: "Aqui o sujeito é erros, portanto deve-se usar seriam". Eis os problemas levantados por ele. Não vale a pena pretender que a pergunta é outra. Tá escrito em negro e branco.
    – Lambie
    Commented Jun 11 at 20:28
  • O perguntador também diz "aqui o sujeito é oculto". Ele levanta duas possibilidades, daí a pergunta. O problema é que naquela frase "erros de logística" não é sujeito de oração nenhuma!
    – Quaestoria
    Commented Jun 11 at 20:31
1

Não creio que seja trivial, pois julgo o singular a forma própria. Essa frase tem uma sintaxe bem complicada.

Simplifiquemos a frase, trocando o 'ter' de sentido existencial por um verbo transitivo direto qualquer e removendo a locução adverbial '10 anos atrás' (nada muda no significado, só simplifica a análise sintática por enquanto):

Conheço erros de logística que é/são inconcebível/inconcebíveis um gestor cometer.

A frase pode ser reestruturada para "Conheço erros de logística que um gestor cometer é inconcebível."

  • Análise sintática:

Oração principal: Conheço erros de logística

Conheço–(verbo) erros de logística–(objeto direto)

Oração subordinada adjetiva restritiva (OSAR): que um gestor cometer é inconcebível.

Oração principal da OSAR: é inconcebível

é-(verbo) inconcebível-(predicativo do sujeito) [o sujeito desta oração é a oração abaixo]

Oração subordinada substantiva subjetiva: um gestor cometer [erros de logística – referido pelo pronome relativo 'que']

um gestor–(sujeito) cometer–(verbo) [erros de logística – referido pelo pronome relativo 'que']-(objeto direto)

Oração subordinada adjetiva restritiva: que–(pronome relativo sujeito) são–(verbo copulativo) inconcebíveis–(predicativo do sujeito)

  • Restaurando a frase original, teremos:

Tem erros de logística que 10 anos atrás seria inconcebível um gestor cometer.

Tem erros de logística – oração principal

Tem – verbo transitivo direto impessoal

erros de logística – objeto direto

que 10 anos atrás seria inconcebível um gestor cometer – oração subordinada adjetiva restritiva

que – pronome relativo sujeito de "um gestor cometer"

10 anos atrás – adjunto adverbial

seria inconcebível – oração principal da OSAR (o sujeito é a oração abaixo)

um gestor cometer [erros de logística – referido pelo pronome relativo 'que'] – oração subordinada substantiva subjetiva

Todavia, se considerarmos como correto o plural e que de 'são' 'erros' é sujeito , teremos a frase "Conheço erros de logística que são inconcebíveis...", a qual já se encerra completamente e logo admite complemento nenhum. Vide:

Oração principal: Eu-(sujeito) conheço-(verbo) erros de logística-(objeto direito)

Logo, "um gestor cometer" ficaria solto como sintagma se o sujeito do verbo 'ser' fosse 'erros' em vez 'um gestor cometer [erros que conheço].

Um modo de "dessoltar" esse sintagma enquanto se mantém o plural é a introdução da preposição "de":

Conheço erros de logística que são inconcebíveis de um gestor cometer.

Essa frase é do mesmo tipo de "Igrejas são difíceis de plebeus construírem.". "Igreja" é o sujeito, "são" é o verbo, "difíceis" é o predicativo do sujeito, "de plebeus construírem" é o complemento nominal do predicativo do sujeito, sendo uma oração subordinada substantiva completiva nominal reduzida de infinitivo.

Concluindo:

As opções certas podem ser ou "Conheço erros de logística que são inconcebíveis de um gestor cometer", ou "Conheço erros de logística que é inconcebível um gestor cometer" — uma inversão de "Conheço erros de logística que um gestor cometer é inconcebível".

Mas eu diria que existe uma sutílima distinção semântica entre as duas, e que a primeira é mais apropriada, enquanto que a segunda não faz tanto sentido quanto aquela.

0
1

A resposta correta é com o singular, seria e inconcebível.

Há aqui mais do que uma oração. É irrelevante que o verbo ter (aqui =haver, no sentido de de existir), seja impessoal e que portanto vá para a terceira pessoa do singular nessa oração.

Na oração relativa "que seria inconcebível um gestor cometer", que, pronome relativo, assume como antecedente "erros de logística". É verdade que este nome é plural, no entanto, este nome é o objeto direto de cometer, não o sujeito de ser inconcebível. O sujeito de ser inconcebível é um sujeito oracional, a oração infinitiva um gestor cometer [certos erros]. Repara que podemos dizer que certos erros são inconcebíveis, não apenas que cometer certos erros é inconcebível, o que ajuda à confusão. Se a frase errada fosse truncada após "inconcebíveis" ("há erros que, há dez anos, seriam inconcebíveis"), então a frase estaria correta, o que induz ao erro.

A análise mudaria se admitíssemos a elevação a sujeito de "erros de logística" com de, como com o adjetivo "difícil", ou "impossível":

Há problemas que é difícil resolver.
Há problemas que são difíceis de resolver.
Há problemas que é difícil um gestor resolver.
(?) Há problemas que são difíceis de um gestor resolver [problemas].

Marquei com (?) porque não me parece que nesta construção resolver possa ter um sujeito explícito.

3
  • Creio que minha e tua resposta estejam em concórdia. Na quarta construção realmente "resolver" não pode ter sujeito, "de um gestor resolver" é oração completiva nominal e o verbo "resolver" é usado de modo geral.
    – Quaestoria
    Commented Jun 12 at 12:09
  • "Sujeito oracional ocorre quando há uma oração subordinada substantiva fazendo papel de sujeito, a chamada oração subjetiva". Ex: Praticar exercícios frequentemente é bom para a saúde. clubedoportugues.com.br/o-que-e-sujeito-oracional Eu não vejo nenhum sujeito oracional. Tem erros de logística// que 10 anos atrás seriam inconcebíveis// um gestor cometer. Mas: Um gestor cometer erros de logítstica dez anos atrás seria [singular aqui sim] inconcebível.
    – Lambie
    Commented Jun 12 at 13:59
  • 1
    @Lambie o que é inconcebível (i.e. o sujeito do predicado ser inconcebível) é um gestor cometer certos erros, não os erros. Logo, segundo este teste, o sujeito é "um gestor cometer certos erros".
    – Artefacto
    Commented Jun 13 at 5:33
0

Na língua culta a frase correta seria: Há erros de logística que há 10 anos seriam inconcebíveis um gestor cometer. Oração sem sujeito: verbo haver com o sentido de existir.

1
  • Está errado, assim como a resposta mais votada. O motivo já foi explicado em minha resposta e na do Artefacto.
    – Quaestoria
    Commented Jun 23 at 21:40

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service and acknowledge you have read our privacy policy.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.