Portuguese Language Stack Exchange is a question and answer site for linguists, teachers and learners wanting to discuss the finer points of the Portuguese language. It's 100% free, no registration required.

Sign up
Here's how it works:
  1. Anybody can ask a question
  2. Anybody can answer
  3. The best answers are voted up and rise to the top

Dizem algumas fontes que o tempo pretérito perfeito composto se utiliza para as ações recorrentes. Porém, quanto tempo tem que passar até uma ação poder ser chamada "recorrente"? Veja o exemplo seguinte:

[Tem chovido vs Choveu] muito esta semana!

Qual tempo se prefere neste caso? Será que a chuva não precisa de tempo suficiente (uma semana) para ser chamada "recorrente", ou podemos usar o tempo perfeito? Em palavras simples; qual é o ponto de corte para o tempo perfeito?

share|improve this question
up vote 6 down vote accepted

Por sugestão de @ANeves, vou passar os meus comentários para uma resposta:

O significado não difere muito entre ambas as formas verbais e é muito frequente serem usadas para dizer a mesma coisa.

No entanto, de um ponto de vista mais formal trata-se de uma distinção entre uma acção continuada e uma acção finita, mais do que uma questão de recorrência.

No exemplo apresentado:

Tem chovido muito esta semana!

Trata-se de uma acção continuada. O verbo chover é precedido do verbo auxiliar ter. É análogo ao continuous past do inglês (e outras línguas).

Por outro lado,

Choveu muito esta semana!

É uma acção finita. Como se tivesse chovido e parado de chover. Análogo ao past perfect do inglês.

EDIT: Como nas referências apresentadas não está muito claro, vou tentar esclarecer melhor a questão da continuidade / recorrência / intervalo de tempo.

Usa-se a forma composta (pretérito perfeito composto) quando uma acção:

  1. começou há algum tempo atrás (não importa quando) e continua a ocorrer no presente;
  2. ocorreu no passado e previsivelmente vai ocorrer novamente no presente ou futuro imediato;

Exemplos:

Tem chovido muito esta semana.

Tem nevado muito este mês.

Têm morrido muitos artistas este ano.

Usa-se o pretérito perfeito (simples) quando uma acção:

  1. começou e acabou no passado (não importa se passado próximo ou distante)

Exemplos:

Choveu muito esta semana.

Nevou muito em 2012.

Morreram muitos artistas este ano

share|improve this answer
1  
Boa resposta. Agora entendo; trata-se da natureza da açao (se for finita/continuada), mais do que a quantidade do tempo decorrido. Obg! – Mr Chasi Mar 11 at 9:37

O Pretérito Perfeito Composto não tem necessariamente de exprimir iteração; dependendo das características aspetuais do predicado, pode ter um valor durativo (nomeadamente, se se tratar de um estado). Por exemplo:

Tem chovido [=tem estado a chover] a tarde inteira.

A diferença com choveu a tarde inteira é essencialmente que tem chovido só pode ser proferida se ainda for de tarde e ainda estiver a chover (portanto a ação tem de continuar até ao presente).

Mas passando à tua pergunta, quantas repetições são necessárias, a resposta é depende; podem ser só duas. Os únicos requerimentos são:

  • Durante o tempo de tópico (que pode ser explicitamente delimitado com desde Janeiro, nos últimos dias, etc.), o período em que ação ocorreu tem de ser longo o suficiente, o número de repetições grande o suficiente e as repetições distribuídas pelo período de tempo bem o suficiente para que se possa estabelecer um padrão/hábito.
  • O número de repetições não pode ser especificado: *Tenho-a visitado vinte vezes, mas é possível tenho-a visitado várias/muitas/poucas vezes e tenho-a visitado três vezes por semana (o que é iterado é visitar três vezes por semana).

Repara que o facto de haver um padrão não implica que ação seja frequente:

Tenho visitado os meus pais a cada três anos.

Quanto a tem chovido/choveu muito esta semana, é um mau exemplo — trata-se de frases ambíguas. Podemos estar a falar da frequência (= muitas vezes) ou da quantidade/intensidade (=muita chuva). Diria que a interpretação preferencial com tem chovido é de frequência, e com choveu de quantidade. Se for de quantidade para os dois casos, tem chovido tem um carácter mais iterativo. Qualquer que seja a interpretação, tem chovido só pode ser usado se estivermos algures no meio da semana e choveu só pode ser usado se estivermos no fim da semana ou já na semana seguinte (esta semana = esta última semana) — se estivermos a meio da semana só podemos usar choveu com algo do género choveu muito esta semana.

Em suma, para o Pretérito Perfeito Composto é preciso que que haja um início indeterminado de um estado ou de uma série de eventos no passado que se mantenha até ao presente e que possa continuar depois deste. Já o Simples é «terminativo, isto é, marca um momento em que um estado ou um evento terminou, podendo só nos casos em que há culminação inferir-se um estado consequente» (Gramática do Português de Maria Mateus e outras, 6.ª ed., p. 156).

share|improve this answer
    
Isto sem abordar os raros casos em que o pretérito perfeito composto não tem estes valores, como em «tenho dito» e quando o tempo de referência não corresponde ao tempo da enunciação. – Artefacto Mar 10 at 18:29

Your Answer

 
discard

By posting your answer, you agree to the privacy policy and terms of service.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.